quinta-feira, 31 de maio de 2007

Save the Liturgy, Save the World

For the record: o jornal italiano Il Reformista destacou a audiência do Papa Bento XVI com Robert Spaemann no último domingo (ver post abaixo). Reconhecendo que pouco se sabe do que foi tratado, afirma que o professor alemão teria saído do encontro bastante confiante na publicação do motu proprio liberando a Missa Tridentina (Missa de São Pio V) para muito em breve. Segundo o artigo, a promulgação seria ainda para este mês, o que é virtualmente impossível, já que maio se esgota nas próximas horas. Esqueça as previsões exatas. O motu proprio virá. Save the Liturgy, Save the World.

terça-feira, 29 de maio de 2007

Motu Proprio: Update

Em tempo: O jornal alemão Der Spiegel noticiou ontem (28/05/2007) que o motu proprio para liberação da Missa Tridentina deverá ser publicado ainda nesta semana: "diese Woche"! A fonte é confiável e o fim de maio encaixa-se com o que havia sido prometido pelo Papa a Alice von Hildebrand. A probabilidade real, no entanto, continua a ser um mistério.
Além disso, Shawn Tribe, do The New Liturgical Movement , chama a atenção para o fato de que o Boletim do Vaticano informou neste último domingo (27/05/2007) o encontro do Papa Bento XVI com Robert Spaemann, Professor Emérito da Universidade de Munique e Presidente da Associação Pro Missa Tridentina. É possível que o motu proprio tenha sido discutido.

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Novos Rumores do Motu Proprio

Ainda que seja o rumor dos rumores – há quem preveja uma gloriosa publicação do motu proprio liberando a Missa Tridentina para amanhã (29/05/2007), ao final da Peregrinação a Chartres (ver post abaixo). Aliás, veja aqui as fotos mais recentes enviadas pelos peregrinos.
Nesse último fim-de-semana, todos os sites ligados à liturgia tradicional deram destaque ao pronunciamento do Superior Geral da Fraternidade São Pio X, Bernard Fellay, sobre a questão do motu proprio. Independentemente de todas as ressalvas que possam ser feitas à Fraternidade, o discurso é bastante relevante ao examinar as posições internas conflitantes da Cúria Romana em relação à postura litúrgica tradicional do Papa Bento XVI. As partes 6 e 7 são o ponto central.

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Pèlerinage à Chartres

Sábado começa a 25ª Peregrinação a Chartres, realizada anualmente em Pentecostes pelos movimentos tradicionalistas franceses. Os peregrinos saem da Notre Dame de Paris e caminham durante 3 dias as 75 milhas que levam até a Catedral de Chartres.
Nas fotos do ano passado, toda a beleza da reverência e dos atos de piedade.

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Truth & Tolerance

Acabo de ler A Idéia Patrística do Anticristo, do Cardeal Newman - que demoraria ainda dez anos para se converter ao catolicismo – e encontrei no apêndice este trecho de uma carta interessante escrita por Samuel Horsley no final do século XVIII:
"Nos tempos do Anticristo, a Igreja de Deus sobre a terra, como bem podemos imaginar, verá fortemente reduzido o número aparente de seus fiéis, em razão da deserção dos poderes deste mundo. Esta deserção começará por uma indiferença a toda forma de cristianismo, sob a aparência de tolerância universal. Mas tal tolerância não procederá de um verdadeiro espírito de caridade e indulgência, mas de um desígnio de minar o cristianismo pela multiplicação e o fomento das seitas. Essa pretensa tolerância irá muito além de uma justa tolerância, inclusive no que toca às diferentes seitas de cristãos. Pois os governos pretenderão ser indiferentes a todas e não darão proteção preferencial a nenhuma. Todas as Igrejas estabelecidas serão deixadas de lado. Da tolerância das mais terríveis heresias passarão logo à tolerância do islamismo, do ateísmo e, por fim, à perseguição explícita da verdade do cristianismo".
Nas meditações da Quaresma deste ano, o Cardeal Giacomo Biffi disse algo parecido, alertando a cúria romana para um anticristo ecumênico, pacifista e ecológico. Foi chamado de louco. Afinal, o verdadeiro apocalipse é o aquecimento global.

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Motu Proprio nas Próximas Semanas

Depois do discurso feito em Aparecida – ver post abaixo -, em que informou oficialmente os Bispos da América Latina sobre a intenção do Papa Bento XVI em promulgar o motu proprio para a liberação da Missa Tridentina, o Cardeal Darío Castrillón Hoyos anunciou que o documento está previsto para as próximas semanas.
Em entrevista concedida à agência mexicana Notimex e divulgada no periódico Milenio de ontem (17/05/2007), além de prever a publicação do motu proprio para muito em breve, o Cardeal Hoyos destacou que o Papa quer "conservar para a humanidade um tesouro que santificou a Igreja por mais de mil anos: o rito codificado por São Pio V; esse tesouro, essa expressão cultural, essa língua que foi língua da Igreja desde o primeiro momento", ressaltando também que Bento XVI "ama a liturgia" e por isso deseja manter o rito tradicional, segundo os livros de 1962.
Tratando especificamente dos lefebvristas, explicou também que eles "não são cismáticos, têm apenas uma suspensão os sacerdotes por exercer de forma ilícita e os bispos excomungados, porque ao ordenar outros bispos sem permissão de Roma, têm este castigo latae sententiae (no momento)".

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Motu Proprio no CELAM: “É chegado o tempo”

A notícia não poderia ser mais animadora. Em discurso feito anteontem (14/05/2007) no CELAM, em Aparecida, o Cardeal Darío Castrillón Hoyos informou oficialmente os Bispos da América Latina sobre a iminente intenção do Santo Padre em promulgar um motu proprio para a liberação da Missa Tridentina e da liturgia tradicional. O Cardeal Hoyos é Presidente da Comissão Pontifícia Ecclesia Dei, criada pelo Papa João Paulo II para acolher os fiéis tradicionalistas que desejavam permanecer em comunhão com a Igreja, quando da excomunhão do Arcebispo francês Marcel Lefebvre, em 1988.
O discurso é muito sereno e percebe-se claramente que o Cardeal não está debatendo a questão ou pedindo qualquer opinião dos bispos. Ao contrário, ele parece apenas comunicar um fato iminente, a pedido do próprio Papa Bento XVI, que havia preparado o terreno na semana anterior, com suas contundentes intervenções sobre os abusos na liturgia e a doutrina tradicional da Igreja, conforme tratei no post abaixo.
Seguem abaixo os trechos mais importantes do discurso do Cardeal Hoyos, em Aparecida:
"(...) Na verdade, trata-se de uma oferta generosa do Vigário de Cristo que, como expressão de sua vontade pastoral, quer colocar à disposição da Igreja todos os tesouros da liturgia latina que durante séculos nutriu a vida espiritual de tantas gerações de fiéis católicos. O Santo Padre quer conservar os imensos tesouros espirituais, culturais e estéticos ligados à antiga liturgia. A recuperação dessa riqueza une-se à não menos preciosa da atual liturgia da Igreja.
Por essas razões, o santo Padre tem a intenção de estender a toda a Igreja latina a possibilidade de celebrar a Santa Missa e os Sacramentos segundo os livros litúrgicos promulgados pelo Beato João XXIII, em 1962. Por esta liturgia, que nunca foi abolida, e que , como dissemos, é considerada um tesouro, existe hoje um novo e renovado interesse e, também por essa razão o Santo Padre pensa que é chegado o tempo de facilitar, como havia querido a primeira Comissão Cardinalícia em 1986, o acesso a esta liturgia, fazendo dela uma forma extraordinária do único rito Romano. (...)" (os destaques são meus).

segunda-feira, 14 de maio de 2007

A Visita do Papa

Desafiando a intolerância mal disfarçada da intelligentsia brasileira, o Papa Bento XVI teve uma passagem gloriosa pelo país. Foi paciente com os vexames diplomáticos e a falta de educação da cúpula presidencial e reafirmou toda a doutrina com contundência e serenidade. Não, não se mata em nome da liberdade individual. E não, hedonismo não é liberdade. A Igreja não deve render culto à ideologia e a interesses partidários. E exortou os bispos a uma dolorosa obediência a Roma.
Tocou a piaga dos abusos na liturgia: na Catedral da Sé, falou da necessidade de "devolver à Liturgia o seu caráter sagrado. É com esta finalidade que o meu Venerável predecessor na Cátedra de Pedro, João Paulo II, quis renovar ‘um veemente apelo para que as normas litúrgicas sejam observadas, com grande fidelidade, na celebração eucarística’ (...) ‘A liturgia jamais é propriedade privada de alguém, nem do celebrante, nem da comunidade onde são celebrados os santos mistérios’ (Carta encl. Ecclesia de Eucharistia, n. 52). Redescobrir e valorizar a obediência às normas litúrgicas por parte dos Bispos, como ‘moderadores da vida litúrgica da Igreja’, significa testemunhar a própria Igreja, una e universal que preside na caridade".
E também na Missa de canonização de Santo Antônio de Sant’anna Galvão, lembrou os fiéis de que "na Sagrada Eucaristia está contido todo o bem espiritual da Igreja (...). Eles (os cristãos) devem poder conhecer a fé da Igreja, através dos seus ministros ordenados, pela exemplaridade com que estes cumprem os ritos prescritos que estão sempre a indicar na liturgia eucarística o cerne de toda obra de evangelização. Por sua vez, os fiéis devem procurar receber e reverenciar o Santíssimo Sacramento com piedade e devoção".
Foi acusado de obscurantismo. Estranho seria se o compreendessem, que o orgulho é uma coisa terrível. A vinda do Papa foi um chamado à santidade.

segunda-feira, 7 de maio de 2007

A Polêmica do Limbo

La Discesa al Limbo, de Giotto.
Sobre as besteiras que andam sendo ditas sobre o limbo. O tão falado estudo feito pela ITC – International Theological Comission não é um documento papal nem possui natureza de Magistério da Igreja e, portanto, não poderia nunca "abolir a existência do limbo". A bem da verdade, o parecer - divulgado com o aval do Papa - conclui que deve haver esperança na salvação das crianças mortas sem o sacramento do Batismo, mas afirma também que o limbo permanece uma opinião teológica possível. Ou seja, nada além do que já dizia o Catecismo: "Quanto às crianças, mortas sem Batismo, a Igreja na sua liturgia confia-as à misericórdia de Deus".

sexta-feira, 4 de maio de 2007

O Motu Proprio

Studio do Cardeal Newman No periódico britânico Telegraph, Damien Thompson confirma o dia 05 de maio (Festa de São Pio V) como a data mais provável para a publicação do motu proprio que levantará as restrições sobre "the beautiful Latin Tridentine Mass". De outro lado, Bernard Fellay, Superior Geral da cismática FSSPX, afirmou nessa semana que a publicação em maio é possível, dando, no entanto, o final do ano como época mais provável. É realmente muito difícil prever ou confiar em qualquer declaração que afirme com certeza uma data exata, mas a promulgação parece mesmo iminente. Nesse meio tempo, surgem também rumores de que o motu proprio poderá ser editado ad experimentum, por um período inicial de 5 anos. Por fim, as acusações de anti-semitismo que surgiram na semana passada – de que no rito antigo haveria orações ofensivas à comunidade judaica - são apenas uma tentativa infame, mal-intencionada e desesperada de impedir a publicação do motu proprio e, naturalmente, não funcionaram. O Cardeal Walter Kasper pronunciou-se perante o International Council for Christians and Jews: "Se de um lado eu não sei o que o Papa pretende dizer em seu texto final, está claro que a decisão tomada não pode agora ser modificada". Rezemos para que seja verdade.